Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Relíquia de sangue

Relíquia de sangue

adornadas asas
sobrevoaram savanas
ela dançou para a lua
venturas ciganas
quando a fúria dos ventos
espalhou queda d'água

as forças e os argumentos
aboliram as pragas
mas nada
conseguiu fenecer
o jardim
das suas belezas

na inundação
dezenas de estrelas
despencaram caladas

quando o raio
incrustou sua pele
percorreu os mistérios
acordou escorpião
fez relíquia de sangue
de graça e de inferno
de um amor para sempre

wasil sacharuk


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS