Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Montaria

Montaria

da minha cadeira
discorro as horas
quando então saltas
sobre minhas pernas
linda esperta
e solta

tua mão mostra a rota
te insinuas na montaria
galgas potra sem cilha
das ancas escarranchadas
a percorrer cavalgada
livre e sem piedade
pelo meu corpo afora

sem demora
meu olhar te devora
explora tuas vertentes
meus dedos enroscam cabelos
para prender-te
meus versos declamam mamilos
entre os dentes

logo mergulhas urgente
para colher em tua língua
meu prêmio aos teus desvelos

wasil sacharuk

22214916_10208840260437681_811230660_n
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS