Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Cão negro

Cão negro

Psicopompo cria o cão negro
terror das nectarinas 
do quintal
que tanto salta o fogo
quanto lambe o gelo
salivantes papilas
no garrão de las brujas
até o mundo infernal

a bestafera e o dilema
do espanto das ruas
da beleza em poema
do silêncio que ecoa
no hiato
entre o bem e o mal

Psicopompo cria o cão negro
bem guardado segredo
argumento paradoxal
nem toda morte morrida
é uma morte acidental 

wasil sacharuk


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS