Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

zimbro

zimbro

Sob os frutos
de zimbro ao pé
deitei secretas memórias
relegadas ao limbo
sedimentadas
tal pedras

sob as folhagens
alcei a viagem
nas asas dos versos
rumos repletos
fatal emoção
apertada
em nós abstratos

sob a árvore
estendem-se campos
da criação
livre dos entretantos
da coerência ou coesão

sob a paisagem
universos imensos
contextos completos
recriação
dos tantos retratos

sob os sapatos
frutinhos esmagados
espargidos e coagulados
de rubra poesia

wasil sacharuk

 

001

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS