Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Churrasco

Churrasco

chamado para a indiada
regalo a los hermanos
o calor desprendido da brasa
e todos guaipecas
na volta da casa

há alemães, italianos, serranos
e a indiada
da nossa invernada
a gaita encanta a mateada
milongueio com os castelhanos

amizade que nunca defasa
e distrai o peão haragano
acolhera toda a tropeirada

a vida a trote
na nossa cavalgada
honra a liberdade
de qualquer orelhano

a cana sempre repassa
enquanto a costela
ainda assa
a fumaça da lenha queimada
afugenta qualquer desengano
e enaltece a minha terra amada

wasil sacharuk

costelao2015.11_140815-800x430
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS