Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

A pele que veste tua alma

A pele que veste tua alma

te provoco
te perdes insana
onça selvagem
carente e faminta

verto tintas
nos teus círculos
cubos, retângulos
te entorpeço
com essências de sândalo
patchouli e cravo
perfumada em gotas
de absinto

te perdes
desbravando passagens
no meu labirinto
sem fio de ariadne
e nenhuma guarida

perdida
desnorteada
desorientada
e atrevida
tu me pedes um beijo
e me perco contigo

dançam minhas mãos
nas tuas salas
teus caminhos
teus abrigos
precipícios
abissais

deixo marcas
digitais 
minha palma
na pele 
que veste tua alma
o meu vício.

wasil sacharuk


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS