Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Breu

Breu

Noite sem lua
paira assim
...desnecessária

Carece de adrenalina
uma emoção à toa

noites sem lua
são todas iguais
não têm fim

o gato preto
contra o fundo escuro
esvanece
sobre o telhado do galpão
um vulto
na falta de luz

no céu
duas ou três estrelas opacas
derradeiro brilho
de um apelo iluminado

sei que há vida oculta
segredada na noite escura

e um grito na rua
reverbera trôpego
entre as paredes das casas
vira esquinas
atravessa ruas
que grita gosto de medo
e cheiro de orvalho

Na noite sem lua
o gato do telhado
observa atento
os cães famintos
loucos na madrugada
que brigam ferozes
por um pedaço de vida.

wasil sacharuk


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS