Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Orégano rosa

Orégano rosa

Lancei fogos em riscos
a lumiar noite crua coriscos
fagulhas faíscas e lascas

roguei o extermínio da praga
a contar conto triste da saga
ao tormento alimento do medo

revelei um ou outro segredo
ouvi dois ou três com desvelo
poesia nem sempre é uma farsa

e levei uma vida bem farta
oferenda de verso e cachaça
batendo poeira da alegria

dediquei nossas vidas
a qualquer poesia

wasil sacharuk

(para Bento Calaça)

21766632_769409359929689_6640751395978057118_n
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS