Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Seis segundos... sete segundos

Seis segundos... sete segundos

Sentiu-se seduzida...

Subitamente
seus segredos
sucumbiram

Sua segurança
solenemente sabotada

Sua sobriedade
simplesmente sumiu
Seu sofrimento... sarou

Sobrou sensualidade...
Sentiu seus seios
sacrificados sob soutien
saírem sólidos...

Suplicava sexo...
sensualmente selvagem
selvagemente sensível

Sentiu safadeza
sacramentada
sequestrando sua santidade
saturando sua sensibilidade

Serviu-se sobre sua serpente
sentiu segredos seminais
sufocarem seu semblante
sensivelmente sádico

Supostamente satisfeita
sorriu solta
sobretudo...
seis segundos
sete segundos
superou solidão
saciando sua sede
sentiu-se serena

wasil sacharuk

seissete
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS