Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Cromático blues

Cromático blues

A escolha pelo verde
Deixou o beijo mais ardente
E uma luz vinda da noite
Balançou a seda rosa
Encantou a platéia amorosa
Tornou-se viva, única, harmoniosa

Do amarelo, veio o eterno
Quis o sonho deixar singelo
E a vida antes aborrecida
Abriu-se flor colorida
Amainou a solidão
Fez da trilha pura emoção

Tudo pareceu tão vermelho
Como refletiu no espelho
Uma imagem enfurecida
Enrubrecida quente ira
Na carne ardeu a sensação
A rubra cor do coração

E a canção era um blues
Entristecida nos azuis
Gritou solos distorcidos
Como colírio pros ouvidos
Pintou rainha das sereias
Como tingiu as minhas veias

Dhenova & Wasil Sacharuk

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS