Sabes, Amora, eu deveria pensar em não chover mais em ti, mas isso não importa se usas guardachuva. Amora, não tenho capa sequer uso luvas, saíram de moda. E se te incomoda tu te apartas dos pingos da chuva, te resguardas no abrigo se minha chuva te molha. Mas vai, vai Amora, leva a cadeira e teu maldito guardachuva, senta lá fora sem roupas. Mas naquela hora, amada Amora, eu bem sei que tu ficas louca se eu mergulho nos teus olhos em cântaros. Amora, vejo sóis se chovo em tua boca.

Eu falo do mundo

Eu falo do mundo

Te ignoro
catarse poética
pois um poema
quando arrebenta
irrompe epiléptico
com canais entrecruzados
de fumaça de orégano rosa
influência de boa prosa
e memórias da alucinação

Sou vivente
de bom coração
mas não carrego
a alma bucólica
provo da náusea
do cotidiano
com natural sofreguidão
e risco poema cibernético
ensaio virtual estrambótico
de fundamento insano
e algum desfecho caótico

E improviso um intento
de confessa manipulação
fantasia sofismo retórica
travestido de argumento
de umbigocêntrica sedução

um poema com rubrica
não é isento
de posição

wasil sacharuk

Snapshot_20151216_1

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS