Fazer diferente

1774830_orig

Fazer diferente

você
que frequenta palcos
os circos edifícios
a alma de favela
a fome de asfalto

desaba dócil no altar
da nossa catedral

você
que abraça ao normal
e aplaude o palhaço
encena cúmplice sarcasmo
no teatro da vida

você
que lambe a ferida
depois lambe o orgasmo
da chaga universal

você
que é como a gente
no dia de natal
vai fazer diferente.

wasil sacharuk

Bebê



Bebê

qual tom cinzento
ousa adentrar
teu céu colorido 
de doces virtudes
e tudo o que
amiúde
tu, bebê borboleta
voando tão fácil
pode inventar?

wasil sacharuk
15625807_228941597551381_5912468333554624663_o
fotografia de Andréa Iunes

Rapunvelho e a flor de rabanete

Radijs_bloemen_Raphanus_sativus_subsp._sativus._jpgfoto: Katia Horn

Rapunvelho e a flor de rabanete

Na colheita vindoura
brotarão tuberosas
no cercado de muro
que apenas bruxa louca
pilotando vassoura
se atreveria a soprepor

o ancião Rapunvelho
espargiu sementes
de rabanetes
viu florescer
e crescer seu amor

os tempos de sol
as barbas brancas
tranças de esperança
sobre a horta semeada
ao pé da torre.

wasil sacharuk

Os anjos tocam falácias

Os anjos tocam falácias

jaz o silêncio instintivo
detrás da porta do quarto
jamais pergunte os motivos
jamais sentencie meus atos

arquiteto do mundo quadrado
imperfeito inexato e cativo
jamais me imprima em retratos
jamais tente ser meu alívio

nunca mais

suas leis declinam eficácia
minhas leis são meras promessas
os anjos tocam falácias
desafinadas nas suas trombetas

não conto que você entenda
não espero a sua astúcia
não queira roubar minha graça
não drene a minha energia

suas leis declinam eficácia
minhas leis são meras promessas
os anjos tocam falácias
desafinadas nas suas trombetas

os anjos tocam falácias
desafinadas nas suas trombetas.

wasil sacharuk

4059m

Poema paisano

11823810_10204444162254892_55821831_n

Poema paisano

pendurado perpendicular
parece pacote pendente
pelo precipício
pichando paredes
pincela profanos painéis

poisa pleno
para proferir palavras
pacientemente paridas
pecador perdido
pássaro pagão
pensa pagar pelo pão
pífias promessas
porém prova pobres pratos
pagos por parcas patacas

padece pela peste
perece pela praga
paga pesado preço
pelas pílulas punitivas

parte protegido
pela paisagem
paisano pelos pampas
passa portas
pula pedras
percorre praias
prados
puxado pelas pernas

pesca peixes pictóricos
pelo profundo panorama
percebe passar patos
pelos parques
pelas páginas poéticas

paira pela paixão
paladino pateta
plana por puro prazer
planta papoilas
para penetrar pelas pétalas

permanece poeta
preso por piedade
profere parábolas
previsões profecias

pensa pedaços
pequenas partículas
para pintar poesia.

wasil sacharuk

luz de amizade

luz de amizade

eu aprendi
bem pequenino
cruzar estradas
cortar caminhos

assim eu cresci

quando aprendi
a rodar moinhos
não sei parar
eu rodo sozinho

estou tão cansado

pronuncio teu nome
estendo a minha mão
vejo na escuridão
nossa luz de amizade

pelos nossos dias

traduzi em poesia
as coisas confusas
que escutei do silêncio
quando dormi na areia

já morri de amor
e de amor já vivi
conheci os mistérios
contei luas cheias

pronuncio teu nome
e ainda te procuro
pelos cantos do mundo
pela nossa lealdade

me leva pra casa

pai
me leva pra casa

pronuncio teu nome
estendo a minha mão
vejo na escuridão
nossa luz de amizade

amigo te peço:

pai
me leva pra casa.

wasil sacharuk


PicSketch-2016-12-02-21-37-24


www.wasilsacharuk.com

Problema meu

 

 

 

solitude-3


www.wasilsacharuk.com

Problema meu

Se amo
é problema meu
não abras
um universo fechado

não queiras julgar
não queiras julgar
o que a mim pertence

se amo
nada tens a ver
não persigas
meus passos

teu amor
enlouquece
intriga
enfurece
se não sabe
quem sou

não queiras saber
não queiras saber
se amo na alvura
ou na escuridão

se amo
estranhezas
certos fracassos
não há o que dizer

teu amor
enlouquece
intriga
enfurece
se não sabe

se amo
é problema meu.

wasil sacharuk

Bonança

bonança

um vento tranquilo
veio amainar o tempo cruel
e suas correntes

soprou brisa como consolo
acordou aos crentes
aos idealistas
moralistas
aos tolos

soprou sementes de versos
em campos dispersos
de nova poesia

soprou sereno
nuvens de mar
em calmaria.

wasil sacharuk



calm_water_by_shadowumbre-d30gkui

Calm Waterby MinnaSundberg

Inspiraturas