Seara



toquei flauta
colori as matas
em busca da essência
elixir da vida
além da sobrevivência

sacrifiquei as pernas
nas tristes cruzadas
noites desenganadas
bobo tarológico
trilha de piano
meloso e bucólico

percorri arcanos
pulei
dancei com as ninfas
desafio da fogueira
que lumia vaidades

fui executado
morto enforcado
mas estive sorrindo
na fatalidade

e na poesia
embalo as verdades
em versos de gritos

nela ressuscito
todos os dias.

wasil sacharuk