Seara

os sais do teu banho

os sais do teu banho

subtraio 
teus pensamentos
até rasgo tuas roupas
te arranco promessas
desde as mais singelas
até as mais loucas
impregno os sais 
do teu banho 
com partículas ocultas
de mim

subtraio
os teus vícios
teus fins
teus inícios
tuas drogas e culpas
invado os domínios
subjugo o arbítreo
os recônditos
donde escondes segredos
buracos sinistros
cobertos de medo

subtraio
teu baú de artifícios
obscuros diamantes
lapidados em tua mente
o teu hades latente
de fogo e de lama

subtraio
a cruel liberdade
que te prende na cama

de novo

tudo o que subtraio
depois, eu devolvo.

wasil sacharuk