Pulsante

Pulsante

Rasgo-te estradas
cruzo-te entranhas
a saltar-te horizontes
teu semblante
simula artimanhas
e razões depravadas

falo-te mais nada
penso ouvir-te cantante
canções que cantaste
calada
que muda calaste
sonante

permaneces pelada
eu continuo ofegante

e entremeio-te os flancos
enroscado nos brancos
lençóis contrastados
com tons elegantes

satanizo-te os santos
teus pecados e encantos
articulo-te nas veias
ao entrar-te pulsante.

wasil sacharuk

nanda grass

Inspiraturas