Seara

Fruto podre

Fruto podre

Oh, patife mordaz de olhos bovinos!
Não tens em teus secretos mensageiros
Da discórdia, alguns biltres assassinos
Que queiram lutar co’os de pés ligeiros?

Velho, filho do mal, Fruto estragado
Duma árvore maldita, tu também
Serás severamente torturado
Pelos demônios ríspidos do além.

Sentirás que num golpe do destino
Comichar a bicheira no intestino
A comer o teu bucho esfarrapado

Saberás que na volta dos ponteiros
O teu couro, tua honra e teu dinheiro
Servirão p'ra cobrir os teus cagados.

David Moura & Wasil Sacharuk


Imagem: Nebuchadnezzar (Nabucodonosor), óleo sobre tela, 1795, por William Blake