Seara

Poetas à mesa


Poetas à mesa

Quero a vertente dos olhos
a proeza da alegria
na certeza da harmonia
as lições da delicadeza

Quero saber as belezas
que emergem do abismo profundo
e converte as dores do mundo
as mágoas e as agonias

Quero decorar a melodia
que encurta a nossa distância
e ocupa as reentrâncias
entre as cadeiras da mesa

Quero as palavras mais ternas
as que não dizem mais nada
que versam nas curvas da estrada
trilhada pela poesia.

wasil sacharuk