Qualquer dia

Qualquer dia

desprendo a mim
liquefeito
misturado 
aos contornos perfeitos
dos teus bancos de areia

desprendo a mim
em vapores de luzes
vou desnudo
dos desadornos
liberto
das minhas cadeias

desprendo a mim
pelas veias
tal o homearanha
lança sua teia
flexível e resistente

desprendo a mim
tão valente
e a morte
empunha a gadanha
à mancheia

desprendo a mim
qualquer dia
lançando as ideias
na lagoa da poesia

desprendo a mim
qualquer dia

qualquer dia.

wasil sacharuk

Inspiraturas