Era maio, talvez setembro..

Era maio, talvez setembro..

De tudo o que eu era restou somente palavras. Logo, não mais do que palavras é o que agora sou. Me alimento de sonoros substantivos. 

Fiz brotar húmus de flor para voltar ao princípio. Danço agora, sapateio com o verbo.

Risquei um tempo insano sob o prisma de qualquer existência. Era tarde, quase noite, quando uma tremenda chuva de versos, diluídos com whisky, derramou-se e,despudoradamente, fui banhado. Parti ao encontro da palavra pelado das roupas, das crenças e das ciências.

Desde então, fez-se outro o meu intento. 

Era maio, talvez setembro.. Não sei bem ao certo... lembro apenas de ter visto um poeta pedalando uma bicicleta.

Dia desses tornei a vê-lo. Sentado na asa de um avião.

Wasil Sacharuk 

Inspiraturas