Seara

Prisma



Prisma

Na madrugada
roubo de ti pensamentos
imprimo neles a chuva
para que sempre penetre
nos poros da minha crueza

aos desígnios da aurora
te faço impregnada
daquilo que sou
e novamente sou teu
para que sempre me saibas
e tenhas certeza

exploro recônditos
que a mim não pertencem
mergulho em teus olhos
para que sempre descubras
as cores cegas
da minha inteireza

antes que o sol as revele.

Wasil Sacharuk