Eu e minhas crises

Eu e minhas crises

E tu, mulher, que perguntas das minhas crises
Pois saibas que ainda me resta alguma
Já nem sei ficar sem nenhuma, como bem dizes
Daquelas que já nem se espera que suma

Eu e minhas crises sempre fazemos as pazes
E mais tormenta... disso elas são bem capazes
Mas, como não vivo sem crises, querida fada
Elas voltam com a fome de mulher malamada

Já passei a dos quinze, dos trinta e quarenta
Já brochei, me caguei e mijei aos cinquenta
Decidi por mais crise e perdi meu emprego
Examinaram minha próstata por meio do rego

wasil sacharuk


novembro-azul-moda-masculina-alexandre-taleb-3

Rico joga damas

Rico joga damas

Rico joga damas
ele é mestre das tramas
joga tal um magista

Rico come peça a peça
encurrala o oponente
ele tem boa cabeça
e por isso se garante

Rico não é nenhum tonto
nunca dorme no ponto
contrataca o adversário
damas não é para otário

no combate não cabe calote
vence quem for mais letal
é uma disputa intelectual
damas não é jogo de sorte

Rico é um cara esperto
entende as lições da vida
já sabe o caminho certo
para ganhar a partida

e o segredo da vitória
é o respeito e a cortesia
escrever uma boa história
na lógica e na poesia

wasil sacharuk

playing-checkers-550x427

O grilo e o besouro

O grilo e o besouro

Sou grilo
não besouro
sou do signo
de touro
e sou um bicho bacana
conheço outro bicho sacana
querendo o ouro
do qual não sou digno

Há grilos na sua cabeça?
Não entristeça
faça um eletroencefalograma
e aconteça o que aconteça
não saia da cama

Sou besouro
não sou grilo
sou bicho ingrato
zunir é meu artifício
Conheço o grilo safado
barulhento no ato
gosto do ouro do tolo
mas não sou touro malhado

Há um besouro na sua cama?
Não se acanhe
Faça-lhe um carinho tímido
e se deixe levar pela grama
até o amanhecer digno

Dhenova & Wasil Sacharuk

12670389_994472957303289_5820928592922709562_n

Dhenova

Página rasgada

Página rasgada

Quando uma página em branco
foi drasticamente arrancada
do livro do meu destino
se fez meu cruel desatino

Senti minha vida podada
nem um tampouco ou entanto
desaparecida sob um manto
tal uma história roubada

Ouvi do som o desafino
do meu norte em desalinho
no desvio da rota ultrajada
descontrole e desencanto

Pois tenho andado tanto
conto os passos na estrada
e tento criar um sentido
que não me deixe perdido

Se a sina me leva ao nada
vazio de um triste recanto
talvez seja a vida buscando
aquela página rasgada

wasil sacharuk

DSCF6466

Eco de poesia

Eco de Poesia

Que se faça o mais belo poema
que as palavras se abracem em rimas
Que o amor supere obstáculos
que a verdade então se defina

Não se perca nos nós do sistema
Não se deixe quedar pelas sinas
Não se prenda a outros tentáculos
Não permita que fechem as retinas

Onde as cores então silenciam
e ao longe...se ouvem sons
deste poema ecoa melodia

Onde as dores não gritariam
E só vivam momentos bons
Num esquema de plena harmonia.

Márcia Poesia de Sá e Wasil Sacharuk

Tela de mar

Tela de Mar

Onde anda o mar que pintei para você?
E aquela onda sonora de puro prazer?
Ja perdi minha paleta de sombras...
E minhas notas não consigo conter

Na minha parede penduras outras telas
e meus sons ecoam em outras esferas
lanço em teus cristais as minhas bombas
como música sem dança e sem prazer

Escrevemos um triste enredo de folia
E em nossas linhas ja não vive harmonia
Como escrever um romance com final feliz
Se continuamos a viver por um triz

Com o dedo em riste para minhas manias
E nas cores tão pálidas do dia-a-dia
Não quero mais pintar as mazelas
Sem mares, sem música e letras belas.

Márcia Poesia de Sá  & Wasil Sacharuk

Conflito

Conflito

Ser essa ou aquela
Tinta fosca ou aquarela
Ser recato ou ser musa
Ser coerente ou confusa
Ser trave ou ser trilho
Ser opaca ou ser brilho
Ser reticência ou ponto
Ser passiva ou confronto

Ser a feia ou a bela
Parafuso ou arruela
Ser aguda ou obtusa
Ser convidada ou intrusa
Ser a bala ou gatilho
Ser do pai ou do filho
Ser distância ou encontro
Ser poema ou ser conto.

Lena Ferreira & Wasil Sacharuk

21766632_769409359929689_6640751395978057118_n

Lena Ferreira

Elemento de coesão

Elemento de coesão

Pensei em esquecer o teu jeito
com meu desprezo
pensei em trocar o que tinha
as tuas manias...

Desafiei toda a rebeldia
com minha certeza
e rabisquei uma nova poesia
de pura aspereza

entretanto...

Decidi aquecer meu leito
com teu desejo
Decidi encontrar minha linha
com tua alquimia

Acreditei em toda ousadia
da tua beleza
Acreditei em nova poesia
de pura riqueza.

Dhenova & Wasil Sacharuk

11390063_853624101388176_7659305621937423100_n

Dhenova

E se for pecado?

E se for pecado?

Dos pecados não me arrependo
sou desobediente
ovelha infiel
o avesso do crente

Me faço purificado
não sou o criador
nem manipulador
do motor imóvel
adulterado

Nenhum pecado confesso
não sou penitente
minha água benta é ardente
mantenho meus vícios
meus ofícios
meus artifícios
a reza de trás para frente
no rosário de uma serpente

E gosto de dinheiro, muito
de boa comida
da vida bebida
algum excesso
algum descontrole

E continuo irado
depravado
odiado
rancoroso
raivoso
luxurioso
preguiçoso
nada caprichoso
soberbo...
implacavelmente soberbo

Qual beato abençoado
me fará dizimado
por uma ameaça ridícula
de um medo infundado?

E se for pecado?
Não é problema meu
me sinto agraciado
por tudo que a vida me deu

wasil sacharuk

IMG_20171123_153742

”E se for pecado?” recitado por Dani Maiolo

Ausência


Ausência

Poesia minha foi embora
jurou não voltar jamais
levou sua escova de dentes
sumiu pela porta da frente

Não sobrou um resquício da paz
dos amores e dores de outrora
jogou suas malas lá fora
e foi atracar noutro cais

Restaram os versos recentes
desnorteados e inconsequentes
ecoando estrofes abissais
dissonantes em rimas simplórias

Não sei o que faço agora
transmutado em poeta incapaz
minha verve sangra doente
a esperar pela musa ausente

E se não voltar nunca mais
lembrarei das nossas histórias
a secar a saudade que chora
a falta que ela me faz.

Wasil Sacharuk

https://youtu.be/g2ROeKo8EMY

Mil palavras mudas



Mil palavras mudas

silêncios que emergem
da nascente das almas
onde palavras são tantas
sobre ideias insanas

silêncios salvam
silêncios servem
trabalham e se divertem
tanto sofrem quanto amam

são mudos quando plantam
bananeiras sem bananas
entre poemas sem mensagem
e tantas outras faltas

silêncios cavam
silêncios cobrem
se afogam depois emergem
tanto correm quanto andam

são mudos se debatem
significações exatas
às percepções mais humanas
contextos e artimanhas

silêncios falam
silêncios ouvem
pensam enquanto sentem
tanto morrem quanto calam.

Wasil Sacharuk

Cuspi fogo



Cuspi fogo

Tracei o facho em Y
em tons de azul e caramelo
beliscões e vícios
coloquei-os num cesto

e joguei escada abaixo

Risquei um raio de som
em dó de doce e amarelo
partituras e suplícios
amarrados num texto

depois fui embora

Fiz do poema a marcha
revolta em negro
despejei na garganta
vidro de pimenta preta

e cuspi tudo lá fora

Fiz poesia das lágrimas
luz nos olhos cegos
labaredas líquidas
para anoitecer os medos

agora abro meus braços

Dhenova & Wasil Sacharuk

Infernos que jorram de ti


Infernos que jorram de ti

Que persigas luzes na vida
riscando rumo num traço
de fatal poesia

onde plantarás flores
daquele tipo que brota
das sementes sagradas
dos medos, rancores
verdades remotas
nessas tuas catarses

infernos que jorram de ti
enquanto escreves
mundo que crias
onde queres
teu descanso em paz

teu olhar se insere
no espelho da lua
enquanto brilhas
nos vãos das galaxias
mundos abissais
que se formam
nos cruzeiros das ruas
nos teus puteiros 
e nas tuas catedrais

Que persigas luzes na vida
riscando rumo num traço
de fatal poesia

onde lapidarás cores
nas nuanças mais brutas
das tuas pedras lascadas
teus rochedos, temores
entidades mortas
que não mostram a face

infernos que jorram de ti
enquanto escreves
mundo que crias
onde queres
teu descanso em paz

teu olhar se reflete
nas palavras mais cruas
enquanto teces
versos a revelia
sobre as cores do dia
que se formam
quando o sol se insinua
talvez dia inteiro
ou talvez nunca mais.

Wasil Sacharuk

Vidas Paralelas



Vidas paralelas

Há um mistério guardado
nas rubras fendas de peito aberto
em cada silêncio abrigado no verso
de sua alma dilatada

assim como existe uma fonte
que jorra encantos
por onde sua luz edifica sonhos
e deixa nos olhos farfalhar de
cores
prenúncio de viva aquarela

Há um silêncio calado
nos ecos que repicam incertos
cada mistério que esconde o avesso
de poesia enluarada

Não há um final no horizonte
sequer em seus cantos
onde uma reta divide os mundos
remete o poeta a vislumbrar
estrelas
entre as vidas paralelas.

Rogério Germani e Wasil Sacharuk

Não cheguei

Não cheguei

Andei
andei
andei
não cheguei
a lugar algum

tal o Caetano
há tantos anos
perdeu o lenço
os documentos
agora espera
que o tempo vente

quem vive poesia
decerto não poderia
fazer diferente
e não me leves a mal
meus óculos de grau
precisam de lentes

estive em busca de mim
e no fim
estive ausente
andei
andei
andei
de frente para trás
de trás para frente

até acho que sei
como funciona
o processo da mente
que agrega valor
rabiscando amor
num poema eloquente

andei
andei
andei
e não cheguei
a lugar algum

ficou tanto prescrito
na estrofe inicial
e nas subsequentes
que não fico aflito
considero normal
e ainda fico contente

wasil sacharuk

Perdido nos cantos da Jupiranga

Perdido nos Cantos da Jupiranga

Andei por aí
de cueiros pandos
perdido nos cantos
da Jupiranga

Ah poderia ser bamba
se um dia esse pranto
perdesse guarida
para sambar na avenida

Quem me conhece
e lê minha poesia
não esquece
que odeio carnaval
odeio prece
odeio hipocrisia
e ainda por cima
sou tipo que não desanima
e ainda se acha normal

E logo derramo poema
assim meio sem tema
meio sem trégua
sem esquema
e sem régua
pois nenhum dilema
me cala ou me cega

Já contei a história
consulta tua memória
que andei por aí
de cueiros pandos
perdido nos cantos
da Jupiranga

de lá ninguém volta
donde a coisa rola solta
tem água benta atômica
misturada com vodka
capim do diabo e engov
palavra verso e estrofe

wasil sacharuk


Esse site é apoiado por INSPIRATURAS