Ao mestre, as rimas pobres

Ao mestre, as rimas pobres

Professor
não basta riscar numa lousa
uma cousa qualquer
se gente que pensa não aceita
parvoíces ou frases feitas
tal o "ser ou não ser"

(desvendar nossos Shakespeares
não é nem faz a questão)

Derrame seu amor
abrace o seu ministério
desate o nó dos mistérios
que envolvem as artes e ofícios
faça da Ciência o exercício
pois aquele que não a entende
apenas poderá Crer

E sem o entrave da dor
desperte o prazer de aprender
e se leve o futuro a sério
garanta que esse mundo velho
tenha novo alvorecer
bem longe do precipício

(emburrecer esses dias
virou nosso vício)

E, por favor
retome desde o início:
não basta riscar numa lousa
uma cousa qualquer
se gente que pensa não aceita
viver somente à espreita
porém nunca saber

Mas, se o problema é o salário
pense no que vou dizer:
não faça o aluno de otário
pois isso não é esperto
e decerto
não vai resolver.

Wasil Sacharuk