Sem remédio


Sem remédio

Se não há remédio
que então morras lentamente
com a pele ficando verde
e agonizando na cama

não abandones teus dramas
vá te matando de sede
a ignorar o presente
bem abraçado ao tédio

se não há remédio
que nada seja urgente
já que ninguém te compreende
e já que a ninguém tu enganas.

Wasil Sacharuk

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS