Fandango

FANDANGO

Vim pra contar uma história
acontecida nos lados do sul
Se não me trai a memória
era um dia frio e de céu azul

Ia eu pela estrada deserta
no meu cavalo de estimação
quando vi a porteira aberta
da fazenda do velho João...

E fiquei tanto desconfiado
daí adentrei a trote ligeiro
um silêncio brotava do prado
e nenhum sinal do caseiro

Saltei em frente ao alpendre
a mão cravada na garrucha
já carrego fora do coldre
por vez essa merda embucha

Ouvi um sussurro lá dentro
(temi um assalto ou emboscada)
Pé ante pé fui rumo ao centro
já vendo a porta escancarada...

Esperava lutar com o bandido
já entrei com a garrucha apontada
Mas vi foi um estampado vestido
no chão e uma prenda agitada...

O velho tocava gaita assanhada
e o caseiro agarrava o moirão
enquanto a china rolava deitada
se contorcendo inteira no chão

Agora depois do causo contado
que todos aprendam essa lição
não entre em campo abandonado
onde tem índio de guasca na mão.

Marisa Schmidt e Wasil Sacharuk

Inspiraturas