patrocinador

A poesia e o bolso

A poesia e o bolso

Poeta é poeta
depois da morte
mas se tiver sorte
papel e caneta

Tudo custa dinheiro
banda larga e tinteiro
ninguém compra poesia
preciso de óleo na lanterna
para sonhar que um dia
a gente sai dessa merda

Poeta é poeta
Porque não morre
dormem as penas
e os papéis revoam

Tudo custa dinheiro
Mas a poesia é de graça
Vem e vai voando como garça
Livre dos talões e impostos

Preciso de esperança
E se a poesia não enche a pança
ao menos deixa repleto
meu coração de criança

Wasil Sacharuk e Márcia Poesia de Sá