Bilhete para Serena

Bilhete para Serena

Não sei para onde foste
mas, decerto
não roubaste
a nossa poesia

Sabe, guria
a maldita rompe grilhões
também destrói corações
abre e fecha feridas
cicatrizes da vida

Já tentei ser normal
assumir meu lado bancário
mas me senti um otário
coisa e tal
pois tudo o que quero
é ser pai, esposo e poeta

Amanhã vou para a cirurgia
e nunca se sabe o outro dia
daí resolvi escrever esses versos
lembrando teus brilhos convexos
que te significam serena

E dizer que te penso amena
com o teu sorriso rasgado
na boca de versos brancos
entre dentes rimados

Saiba que tenho saudade
e quero te dar um abraço
que irrompa esse mundo virtual
pela força da sinceridade

pois, sabe, guria
se os versos se ajuntam
no nosso espaço
afastam os desígnios do mal.

Wasil Sacharuk