Bem cheio

Bem cheio

Ainda que louco
de pleno universo
tatuo alguns versos
no centro do peito
e isso não é pouco
ao contrário
é bem cheio
é meu relicário
e também meu recheio

e também meu recheio
do fundo e do meio
quando construo versos
nas beiradas o sonho
isso é quase o inverso
do avesso vestido
é beijo comprido
é abraço esticado
e também meu pecado

Fiel ao que não creio
Por questão de subsistência
Mantenho o bolso cheio
"se ha probado la contradicencia"
Pela justificação do meio
Pois o fim é a própria indecência
Não me pergunte "a que veio"
Pois meio verso trará decadência.

Decimar Biagini, Juleni Andrade e Wasil Sacharuk