Seara

Sepultada

Sepultada

Não recordo mais
como a vida
escreve
sua própria
poesia

Sem navio
e sem cais
nenhum frio
não faz neve
sequer chuva
ou ventania

Insana apatia
e musa viúva
decerto não serve
ao curso do rio
não se trata de paz
é negócio sombrio

Poesia que jaz
sepultada
na verve
da própria
autoria.

Wasil Sacharuk