Coro das Carpideiras




Coro das Carpideiras 

Que se perdoem lembranças 
nas resignadas distâncias 
atos sem rumo ao vento 
pelos quais eu lamento 

Que o sepulcro do tempo 
faça entoar choradeira 
nos mate milhares de vezes 
ao coro das carpideiras 

Que os eventos da esteira 
percorram tempos perdidos
em tolos versos diluídos 
nas galerias da memória

Que se produzam histórias 
algumas eu traga comigo 
quando em caso de perigo 
eu possa ser escutado 

Que o vislumbre do passado 
queime o rolo das imagens 
pessoas, coisas, paisagens 
num desfile alucinado 

E se tenha certeza do dia 
que se possa prever o futuro
 talvez enxergar no escuro
 com a lanterna da poesia. 

Wasil Sacharuk

Inspiraturas