A Bifurcação

A Bifurcação

A noite mal começara
e da estrada,
pensei ter ouvido um chamado

Cruzei atalhos de capim alto
até vislumbrar a campina
ampla como lua, a cheia.
e à mancheia
me fartei de atmosfera

Lá, interceptando o sol,
a montanha

Risquei a viela de pedras
passo a cima
uma a uma

No ponto crítico
a bifurcação

Da trilha estreita
vi a ponta da plataforma
e um furo na pedra
uma gruta

Dentro da rocha
um reino de fogo
e tal lótus
 um homem velho
o contemplava

Apanhei uma acha de lenha
joguei na boca da chama
o clarão iluminou a face do velho
e o espírito da terra
ardeu em seus olhos
sua boca cuspiu signos

Nessa noite
ouvi sobre o fluido da vida
que foi derramado
no solo sagrado
e das dores enterradas
verdades mal contadas

Refiz tantos caminhos
investido da alma do mundo!
foi daí
que me fiz poeta

E o velho?
Ainda contempla a vida de lá,
da bifurcação
ouvindo seus signos
ecoarem nas rochas.

Wasil Sacharuk

Inspiraturas