Teria sido...

Teria sido...

Quisera saber
o que ocorre na mente
e deixara
a semente brotar
para contemplar a expressão

Cada oportunidade granjeada
e cada verdade submetida
ao crivo da razão

Foram tantas tentativas
quantas possíveis
em todos os níveis
do discernimento

Esgotados
os argumentos
em tempo

Dedicara
instantes significativos
a provar
do semblante aflitivo
e do grito por solução.

Meditação
observação
obcecado pela questão

Qual nascente
das atitudes
amiúde
dos pensamentos?
para onde vão
depois que passam por aqui?

Tivera na mira
o controle da ira
nada religioso
ou sobrenatural
era busca do gozo
pelo domínio mental

Trouxera
a dinâmica na guia
e o escrutínio
de raciocínios insanos
jogados em meio
aos anseios e reações

Comera dos restos
servidos aos cães

Fingindo pensar
flagrara-se pensado
atolado na lama dos padrões
e das pré-concepções

Mergulhara
no centro da chama
das ilusões
no intento
o cotidiano clamara socorro
perdera o curso sereno

Tudo revirado tão depressa
e não estivera alheio

Das soluções caducas
perdidas em hesitação
o mundo ficara cheio
e nem tentou fazer as pazes

Fora apenas um sistema
esclerosado
e portanto
decadente

Os dentes da engrenagem
não suportam
tantas resoluções
complexamente abstratas

Procurara a vida já pronta
na despensa, nas latas
vasculhada
nas quinquilharias
Nos vestígios
da origem da confusão.

Wasil Sacharuk


Inspiraturas