Poema a Sacharuk

Poema a Sacharuk

Tem gente que vê além, muito além...
Vê o vento soprando em vários tempos.
Vê com olhos abertos, mesmo fechados.
Vê, na pele, o nascer das flores de todos os campos.

Algumas pessoas inalam a vida...
Sentem o cheiro do sol poente.
Percebem o perfume das estrelas.
E, exalam os aromas de muitas canções.

Poucas pessoas saboream o que parece insípido...
Degustam a língua viva e comem a sua liquidez.
Apreciam uma receita nova de bolo de palavras.
Procuram especiarias pra codimentar as falas.

Raros indivíduos tateiam a luz no escuro...
Têm na pele a flor que desabrocha em versos.
Tocam a lira, com seus diversos tons e temas.
Emanam um calor de aconchego, em raras poesias.

Certos tipos, ouvem o som do peito cadenciado...
Escutam o mar preso nos olhos alegres e tristes.
Dá ouvidos ao silêncio de palavras poderosas.
Interpretam a canção escondida na mais branda estrofe.

Assim, é meu amigo...
É gente!
Vê além, com o olfato apurado.
É humanamente mago!
Saboreia a vida, com a pele de mágico.

È raro!
Ouve o brado de um poema calado.
Assim, é o poeta...
Atravessa o tempo e o espaço.

JULENI ANDRADE

Inspiraturas