Só enchendo as botas

 
Só enchendo as botas

Andas desaparecido mestre bruxo
E eu com saudade deste gaúcho
Que está imóvel como uma pedra
Deixou-me sozinho na merda

É que hoje eu ando tão xucro
nada que eu faça dá lucro
a concentração caiu em perda
e a inspiração anda lerda

Sequer uma parceria no soneto
E eu aqui com as botas cheias
Derrubando cerveja nas meias

Escrever algo bom nem me meto
a minha poesia anda tão feia
e é provável que ninguém leia.

Decimar Biagini e Wasil Sacharuk
fevereiro 2010

Inspiraturas