Da Solitude


Da Solitude

Da solitude sou voluntário
não considero tudo que vejo
munido da plena consciência
dissolvida em obsolescência

Fui um escravo do desejo
fui prior e fui templário
fui de um mundo imaginário
fui pregador do desapego

Nas conclaves da indecência
forjei união de fé e ciência
das maldades sei o segredo
meu olhar se fez visionário

Fui mais outra vítima do medo
fui guardião do meu relicário
fui mancebo do rei ordinário
fui a imagem de um arremedo

Da vida aprendi a urgência
que a busca não finda cedo
e que sou o rebento diário
recriado da própria essência.

Wasil Sacharuk

Inspiraturas