Enquanto danças


Enquanto danças

A cadência do ritmo das desconfianças
Recebes as honras de todo o desprezo
No teu rito infinito da substituição
Onde trocas tristezas por uma emoção
E esqueces as horas do desespero
Na intermitência com as esperanças

Em ruas escuras não há distâncias
Só as curvas suaves do teu movimento
Em franca luta contra a visão
De um dedo em riste chamando à razão
Que no dia seguinte virá o lamento
Desse mundo rendido, enquanto danças.

Wasil Sacharuk

Inspiraturas