Poema noturno

Poema noturno

E no aborto dessa poesia
O descuido fértil da mente
Lei vã das letras ignorada

Nessas palavras dedilhadas
A rima primeira é a semente
E a primeira estrofe é vadia

E o que o pensamento diria
Sobre tudo o que se sente
Nessas teclas desesperadas?

As escansões são dissecadas
Juntando os pedaços da gente
Desencontrados na noite vazia.

Wasil Sacharuk

Inspiraturas