Ensaio da morte

Ensaio da morte

O gato preto escondia
o segredo da vida

Nas águas negras do mundo
o mergulho mais fundo

A ferradura impedia
o canto da agonia

O vislumbre numa carta
na voz do espirito da mata

O pé-de-coelho atiçava
a sorte louca, danada

Nas quebradas do destino
mil anjos cantavam um hino

O 13 permitia
a dor insana colorida

Apagada a luz que ilumina
as escolhas de uma sina

As três batidas na madeira
besteira?

Nas quatro folhas da sorte
o ensaio ingrato da morte

Dhenova & Wasil Sacharuk


www.dhenova.com

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS