patrocinador

Alguidar

Alguidar

Desta vida apenas fica a travessia
Pegadas no barro e marcas de botinas
E para lavar o pecado de uma só mão
Alguidar de água que lambe o chão

Espirra veneno que cega as retinas
Atravessa as ruas em travessa orgia
Se come de noite e reclama de dia
A cantar milongas com as sinas

E recita mais um padre nosso em vão
Alguidar de água limpa e sabão
Que casa a esperança das concubinas
Com os sonhos gentis da putaria

O choro da fome anoréxica tardia
Com rezas, vigários e anfetaminas
Alguidar de água que benze o pagão
E enxágua os buracos do sacristão

Salta o terreno por sobre as minas
Para poder entender a valia
De matar a angústia na vida vadia
Na cruz que atravessa as esquinas.

Wasil Sacharuk