Das alturas



Das alturas

Enfrento as forças que ameaçam
Desvio de ondas que não banham
Das razões, a que eu desconheço
Morro nas tramas que me apanham

São tantos ares, eu nem respiro
Em tantos lares eu já não entro
Invado espaços que eu nem habito
E moro em zonas que não frequento

Viajo alturas que não alcanço
Trago loucura para o remanso
Sou prisioneiro da liberdade

De asas seguras eu não canso
A vida é dura, eis o encanto
Não há utopia na felicidade.

Wasil Sacharuk

Esse site é apoiado por INSPIRATURAS