Desejo confesso

Desejo confesso
 
Gosto de ficar em teu peito
leito donde verte minha poesia
gosto dessa tua mania
de me bagunçar os cabelos
os pêlos e os versos
 
Gosto dos rumos dispersos
que conversam com tua ousadia
e gosto da tua filosofia
que me faz sucumbir em desvelos
meu desejo confesso
 
E gosto além da conta
dessa afronta dos beijos teus
ah o apogeu em tua boca
quando sente-me a pele sedenta
e me sacia o corpo ávido
 
Mas amo o sorriso tão cálido
que os teus lábios ostentam
quando se abrem aos meus
 
Angela Mattos & Wasil Sacharuk
poetisa Angela Mattos

Mûre

Mûre

Mûre do espaço
relâmpago e afago
os longos braços
da doce energia
emerge poesia
para fazer-se criança

Mûre da esperança
conta os patos
que nadam no lago
ensina a esperar
o festim da alegria
enquanto encurta
as distãncias

Mûre das lembranças
da visão do futuro
e das velhas histórias
traz a memória
dos mares profundos
enquanto canta
aos cantos do mundo

wasil sacharuk

morsure-chiens-proteger-enfant

prado imenso dos lírios infindos

prado imenso dos lírios infindos

prado imenso
dos lirios infindos
ofertório
do alimento
dos seres ingênuos
e pequeninos

vasto domínio
dos lírios infindos
observatório
da ave semente
nas terras
dos intentos divinos

wasil sacharuk

 

download

amargo 69

amargo 69

amarga-me
a recolhida língua
à dormência
captura de essências
do limão e do sal
absinto

desidrata na cal
meu toque áspero
tempero-te
de agridoce atrito
de suor e fluído
vinagrette
de amor seminal

desliza e arde
contorcida língua
nas gotículas de  pele
no cheiro da febre
óxido de ferro
e ph vaginal

wasil sacharuk

dddd

Órbita

Órbita

habito estrelas
descrevo curvas
que perpassam 
a cadeia de rochas
crosta do teu planeta

a cada manhã
recolho sonhos
plantados na arcada
dos teus olhos
quando miram o sol

assim posso vê-los
se fecho os meus

habito satélites
corpos celestes
em trajetória suave
observatórios
de ocultas verdades.

wasil sacharuk


Canta comigo princesinha

Canta comigo princesinha

Canta comigo princesinha
pula e dança na cozinha
sobre a insignificância da vida
enquanto eu faço a comida

princesinha
só há maestria
em prender poesia
entre os dentes

princesinha
a maior alegria
é tomar café quente
sentada ao poente

ri comigo princesinha
para afugentar todo o mal
aos lobisomens
por entre os coqueiros
e dar boa noite
aos bois no quintal

wasil sacharuk

imagescanngbbm