Interprete a verve

Interprete a verve

O massacre dos desejos
É coito interrompido
Uma broxa se repetindo
Ato falho na caminhada

Vai e vem
E nada
Esfrega e roça
Espicha e coça
O malogro do tesão

O gozo em plena excitação
Constrói a rua de delícias
Abafar suas malícias
É ser frouxo e moleirão

Sai e entra
Na alucinação
Vira e troca
Emboca e toca
A lira fodedeira

Veja isso como queira
Sou lasciva e sem vergonha
Vou safada, de esgueira
Bater para seu ego, uma bronha

Bota e tira
Bate e apanha
Morde a fronha
Só a cabecinha
Perfura poema fogoso

Tente se encaixar nessas linhas
Tão nossas, tuas e minhas
Excitando o leitor curioso
Fazendo do trouxa, corajoso.

Dani Maiolo & Wasil Sacharuk

poetisa Dani Maiolo

Cheiro

cheiro

menina
quiçá é só desejo
talvez seja sina
enroscado em tuas coxas
à revelia do tempo
sentir tuas narinas
em carícias de vento

wasil sacharuk

#nandagrass

o robin e outros pássaros

o robin e outros pássaros

a fortuna
girou a roda
lancei-me afora
pássaro de luz
na paisagem noturna

gravei
o canto do robin
e doutros pássaros

mundos de asfalto
percorri sob as asas
até tua casa
planícies planaltos
mares e praias
matas fechadas

voei com os pássaros
levei em minha boca
teu livro de sonhos

voei com os pássaros
levei em minha boca
um punhado
das tuas palavras

fiquei junto 
ao velho tronco
com meu nome
e recitei poemas
no jardim
com os pequenos
animais

no quarto
tu bailavas
vestido vermelho
tão linda
mirando o espelho

voei com os pássaros
levei em minha boca
teu livro de sonhos

voei com os pássaros
levei em minha boca
um punhado
das tuas palavras

wasil sacharuk

© Francis C. Franklin

A mulher primitiva

A mulher primitiva

fluidos tramados
em sangue
pele rasgada de dentes
cada célula
sabiamente devorada

penetrada
conduzia a descida
ao inferno da loucura
e o demônio rendido
aos encantos repletos

do gozo pulsava voz
e os olhos fundidos
traficavam amor renegado
com alto teor cerebral

a mulher primitiva
espargiu sementes
de prazer sobre os campos
sem que ninguém a tocasse

wasil sacharuk


Lugar de homem



Lugar de homem

Lugar de homem
é na cozinha
fritando galinha
batendo ovos
quebrando a cabeça
e os copos

wasil sacharuk

Pelas paredes que separam

Pelas paredes que separam

Menina
se teus cachos
despencarem
sobre os ombros
não saberei
me fazer entender

noite calada
estás acordada
e chamas
posso ouvir
pelas paredes
que separam
nosso imenso jardim

Menina
se teus traços
são tão abstratos
tuas saliências
revelam escombros
de antiga poesia

noite calada
tu acordada
em chamas
posso sentir
pelas paredes
que separam
nosso imenso jardim

wasil sacharuk